Sergio Amadeu em 2015
, Tânia Rêgo/Agência Brasil [+]

Na Wikipédia, o estudante insere-se na produção do conhecimento: uma entrevista com Sergio Amadeu

Graduado em Ciências Sociais e doutor em Ciências Políticas pela USP, Sérgio é defensor e divulgador do software livre e da inclusão digital no Brasil

No dia 19 de agosto, o sociólogo Sergio Amadeu dispôs um pouco de seu tempo para nos conceder uma entrevista. Sergio Amadeu é graduado em Ciências Sociais e doutor em Ciências Políticas pela USP, defensor e divulgador do software livre e da inclusão digital no Brasil e nos contou sobre suas opiniões acerca do uso de plataformas livres na educação, incluindo a Wikipédia. Outros tópicos, como neutralidade e anonimato da rede, também foram mencionados. Disponibilizamos também o áudio da entrevista.

Lucas Teles — Qual a sua opinião sobre a Wikipédia?

Sergio Amadeu — A Wikipédia é um exemplo do potencial colaborativo das redes digitais e também ela mostra que a colaboração e o compartilhamento do conhecimento geram resultados inigualáveis nas relações sociais. Depois que a Wikipédia surgiu nós tivemos certamente um ganho enorme porque o exemplo de práticas colaborativas que ela gerou se irradiou para várias outras áreas da ação social.

Do ponto de vista dos educadores, no Brasil, ainda nós exploramos muito pouco a Wikipédia. Eu tenho sempre que possível utilizado a Wikipédia nas disciplinas que dou. Eu sempre tento formar grupos e pedir pra que as alunas e alunos produzam verbetes importantes na Wikipédia de língua portuguesa.

Sobre o preconceito em relação ao uso da Wikipédia como pesquisa acadêmica e escolar

Sergio Amadeu — Eu considero que, quando a Wikipédia surgiu, as forças do mercado tentaram solapar a Wikipédia e divulgaram uma coisa absurda, dizendo que a Wikipédia era sem nível, era feita por qualquer um e, por causa disso, não tinha as qualidades de outras enciclopédias fechadas. Nós constatamos, com várias pesquisas, que, além de a Wikipédia ter um número de erros menor que outras enciclopédias, ela tinha também uma qualidade que as outras não têm. Por ela ser colaborativa, a correção de “bugs” e erros é muito mais rápida e que, portanto, o que estava ocorrendo era o espraiamento de um preconceito contra o compartilhamento de conhecimento e contra as práticas colaborativas, mas nós superamos isso.

A cultura da colaboração em rede precisa ser divulgada, disseminada a partir de oficinas, principalmente por educadores. Eu falo isso, porque, no meu modo de entender, quando você olha a Wikipédia de países com a população muito menor, os capítulos nacionais de outros países, você vê que eles têm uma população menor e têm um número de verbetes maior em sua própria língua. Isso mostra que a gente tem muito o que fazer e muitas pessoas não têm noção de que elas podem contribuir com a Wikipédia e muitos professores podem fazer uma orientação para ter qualidade os verbetes. Se uma parte pequena… 10% dos professores brasileiros ou professores em geral começarem a fazer verbetes pra Wikipédia, você imagina o ganho que nós teremos.

Eu imagino que nós temos um grande trabalho pela frente que é envolver melhor os educadores brasileiros na produção, feitura de verbetes e de processos com as ferramentas “wiki”. Eu vou iniciar duas aulas agora nesse terceiro quadrimestre e nas duas disciplinas eu vou procurar sempre como um dos trabalhos em grupo que nós organizamos com os alunos que eles tentem produzir verbetes originais, verbetes que obviamente não existam na Wikipédia e que sejam importantes, sejam no espírito de uma enciclopédia. Eu acho que não só eu posso fazer isso; vários educadores podem fazer isso; podem ter esse trabalho colaborativo online, esse trabalho de organizar algo que é pra sociedade, que fica disponível pra todo mundo, que pegue essa energia que você vai desenvolver numa sala de aula e coloque ele à disposição não só do aprendizado daqueles estudantes que lá estão, mas que também esses estudantes possam gerar um benefício social maior. Então, eu vejo que a gente tem muita coisa pra fazer. Eu sei que tem educadores que tem métodos mais sofisticados de uso da Wikipédia. Uma sugestão que eu até dou é que esses educadores possam fazer tutoriais curtos com vídeos pra incentivar os outros. Seria bem legal se a gente pudesse criar uma grande onda de compartilhamento de conhecimento aqui no Brasil também, porque, sem dúvida nenhuma, a Wikipédia é uma plataforma pra isso.

Lucas Teles — Então, você usa a Wikipédia para avaliar o trabalho que seus alunos fazem editando na própria Wikipédia?

Sérgio Amadeu — Sim. Nem todo trabalho dá pra ir pra Wikipédia, porque a Wikipédia não aceita trabalhos originais. Ela é uma enciclopédia e tem que ter referências. Uma parte das nossas discussões e trabalhos coletivos na sala a respeito de um tema, teoria ou conjunto de autores, pode ser colocada na Wikipédia, porque tem várias referências. Por exemplo, vou dar uma disciplina sobre ciberconflitos, uma disciplina do curso de relações internacionais, que é sobre a ciberguerra, os conflitos que infelizmente existem na internet. Por exemplo, a teoria do “drone”. O estudo sobre os impactos do drone na guerra. Há já vários autores sobre isso. Isso cabe num verbete na Wikipédia. Então, você pode fazer um artigo falando o que é a teoria do drone, por que ele está sendo estudado para além da sua parte técnica, mas suas implicações no universo da guerra, no universo das sociedade, dos direitos humanos e aí por as várias referências pra isso. Isso é um trabalho que um grupo pode fazer; ele aprende com isso, tem o arcabouço teórico e ele produz algo útil pra outros estudantes. Eu acho que é possível utilizar em sala de aula. É legal um grupo de alunos ver seu trabalho sendo útil pra sociedade.

Lucas Teles — Alguns professores criticam a Wikipédia, ainda são um pouco receosos em usá-la e não a aceitam como fonte de estudo, nem mesmo fonte de partida para um estudo. Se alguns professores – que são pessoas que têm acesso à informação – são contra a Wikipédia, como a gente pode informar pessoas leigas e passar a elas essa noção de colaboração, cultura livre e difundir esse conhecimento?

Sérgio Amadeu — Eu acho que isso é um processo de esclarecimento. Eu acredito que a força do exemplo é que pode ajudar. Os professores que criticam a Wikipédia hoje não estão mais falando do nível da Wikipédia, até porque as outras enciclopédias que eles abordavam nem existem mais. O argumento agora é que a Wikipédia não é algo que possa ser copiado e colocado num trabalho. Então, eles estão receosos com a Wikipédia, porque eles acham que o aluno vai simplesmente copiar e colar o seu texto quase que praticamente tudo que ele encontrar na internet e em particular da Wikipédia. O que é a questão que ele está atacando? Ele está atacando na verdade a realização de um trabalho manual de simplesmente copiar e colar. Ele não está atacando a Wikipédia. O que ele precisa entender, inclusive, é que, se ele usar a Wikipédia para poder incentivar o aluno a fazer trabalhos mais inteligentes em que ele tenha que refletir e ele tenha que criar um verbete ou melhorar um verbete, aí ele vai estar efetivamente superando essa ideia de cortar e colar, que não nasceu com a Wikipédia.

Quando eu fazia o meu curso nas primeiras séries de escolarização, o professor mandava eu fazer um trabalho. Ele dizia assim: “Abre a enciclopédia e copia”. A gente pegava uma folha de papel almaço e copiava o artigo na folha e entregava. Na verdade, o que o professor pedia era um recortar e colar mais lento. Agora, com a internet, isso ficou muito rápido e fácil. O que eu acho é que o professor não pode mais vir com essa ideia de que o processo educativo simplesmente é um processo conteudista. Ele precisa inserir o aluno no mundo da produção, da reflexão e quando ele põe os alunos pra fazer artigos pra Wikipédia ou melhorar artigos pra Wikipédia ou traduzir artigos da Wikipédia de outras línguas, ele cria um processo que é de superação do copiar e colar. O educador está equivocado quando ele ataca a Wikipédia. A Wikipédia é uma das soluções que ele pode utilizar e não o problema dele.

Uma outra coisa muito legal é que a Wikipédia permite a você, pulando de verbete em verbete, principalmente pra alunos dos primeiros anos escolares, mostrar como a ciência é construída. Eu já fiz uma vez pra uma turma jovem. Eu fui indo da Física da relatividade pra trás, pulando de verbete em verbete da Wikipédia. Aí o cara tem a noção de que o conhecimento é construído, que ele segue vários caminhos na rede. É muito legal fazer isso. Nós vamos conseguir ir esclarecendo esses processos para os professores. As críticas à Wikipédia já foram muito piores e já foram muito mais sem pé nem cabeça e hoje elas estão indo pra caminhos mais racionais, o que permite que a gente possa superar com mais facilidade.

Sobre trabalhos escolares e o processo de aprendizagem

Uma questão importante é o que dizem sobre o aluno não poder se basear na Wikipédia pra fazer um trabalho. Bom, ele pode se basear sim, porque a Wikipédia é uma obra de referência. Se ele não tem a mínima noção de Física quântica e ele ler um verbete estando o verbete  bem feito, vai ter as referências importantes dessa área pra ele ir atrás. A Wikipédia não é pra ele terminar o trabalho; a Wikipédia é pra ele começar o trabalho. Essa é a questão e é isso o que o educador vai começando a aprender também. Muitas vezes ele não dá um caminho estruturado ou uma alternativa mais clara pro seu aluno, pra pesquisa dele. E aí o aluno pode nem ir pra Wikipédia, mas ele vai copiar de outra enciclopédia ou de um site de resumos e isso é muito pobre. Pra ele fugir dessa fragilidade, ele tem que engendrar processos de aprendizagem. Ele tem que trabalhar junto com os alunos, mostrando que uma enciclopédia e outros textos de referência são apenas o início da jornada para o aluno conseguir elaborar uma reflexão sobre aquilo que é o seu trabalho, sobre o tema em que ele tá interessado.

O processo de aprendizado requer um esforço cognitivo. Se não, você não aprende. A Wikipédia dá o início pra esse processo cognitivo de ele pegar um assunto e ir atrás.

É o que eu costumo falar várias vezes: o processo de aprendizado requer um esforço cognitivo. Se não, você não aprende. A Wikipédia dá o início pra esse processo cognitivo de ele pegar um assunto e ir atrás. Então essa ideia de ir atrás, de aprender, de avançar é um processo também. Por isso, a Wikipédia permite criar esses processos novos de organização do aprendizado (nem tão novos assim) em que um aluno discute com o outro como resolver um problema, como aprender uma coisa nova, como buscar fontes. A Wikipédia abre essa possibilidade e essas críticas que existiam vão se reduzindo.

Wiki
<ref "wmbr888">Lucas Teles (6 de setembro de 2016). [http://wp.me/p5zA2r-ek Na Wikipédia, o estudante insere-se na produção do conhecimento: uma entrevista com Sergio Amadeu] Wikimedia no Brasil. Visitado em 20 de outubro de 2017 </ref>
ABNT
Na Wikipédia, o estudante insere-se na produção do conhecimento: uma entrevista com Sergio Amadeu. In: Website Wikimedia no Brasil. São Paulo: Wikimedia no Brasil, 2017. Disponível em: <http://wp.me/p5zA2r-ek>. Acesso em: 20 out. 2017.

Seu e-mail (obrigatório)

Erro encontrado neste post

  • Na Wikipédia, o estudante insere-se na produção do conhecimento: uma entrevista com Sergio Amadeu é um artigo sobre inclusão digital, software livre, Wikipédia
  • Graduado em Ciências Sociais e doutor em Ciências Políticas pela USP, Sérgio é defensor e divulgador do software livre e da inclusão digital no Brasil
  • inclusão digital, software livre, Wikipédia
  • Entrevistas
  • Wikimedia no Brasil
  • http://wikimedianobrasil.org/wp/wp-content/uploads/2016/09/Sérgio_Amadeu_2015.jpg