, Autor: Rodrigo.Argenton (2014), disponível no Wikimedia Commons, CC-BY-SA 3.0. [+]

Seria o jornalismo participativo uma alternativa para uma mídia mais plural?

Por Marília Carrera

“Todo mundo tem uma história e alguém para ouvi-la. Acho que esta é a questão: Como vamos ajudar as pessoas a contarem as suas histórias? Nem todo mundo quer ser jornalista. Nem todo mundo quer ser revolucionário. A realidade é que não sabemos o que o futuro nos aguarda. Tudo muda e isto é incrível. Ouvimos muito sobre mudança climática global, políticas de imigração retrógradas e todas estas coisas que precisamos reverter. Mas o futuro não está escrito. Ainda temos tempo. Você apenas precisar querer fazer. Você precisa estar disposto a ser corajoso, contar a sua história e mudar. Você não pode continuar a fazer a mesma coisa e esperar resultados diferentes.”

Estas são as palavras do jornalista Brian Conley, em palestra para o evento TEDx Talks sobre como o jornalismo participativo tem remodelado o mundo. Conley é fundador do projeto Small World News, dedicado a incentivar jornalistas e ativistas em comunidades ao redor do mundo como Afeganistão, Índia, Iraque, Líbia, Sérvia e Ruanda a usar dispositivos móveis para contar histórias importantes e de qualidade. A reflexão sobre os riscos e as promessas do jornalismo participativo faz parte do artigo acadêmico Reflexão sobre o Webjornalismo Participativo: Entre o Empoderamento dos Leitores e a Credibilidade da Informação, submetido ao XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (INTERCOM).

Jornalismo Participativo e Wikinotícias

De acordo com Shayne Bowman e Chris Willis, no estudo We Media: How Audiences are Shaping the Future of News and Information, o jornalismo participativo pode ser definido como o papel ativo dos cidadãos no processo de produção de notícias com o intuito de fornecer as informações confiáveis, precisas e relevantes que a democracia necessita. Segundo Bowman e Willis, a hegemonia do jornalista como detentor da informação tem sido ameaça pela audiência munida de ferramentas de publicação fácil na Internet, conexões ativas 24 horas por dia e dispositivos móveis poderosos para a criação, a edição e a publicação de notícias.

O jornalismo participativo emergiu no fim da década de 1990 e no início da década de 2000, com o aumento ao acesso à Internet pela população. Em Webjornalismo Participativo e a Produção Aberta de Notícias,  Alex Primo e Marcelo Träsel apontam os fatores que possibilitaram o desenvolvimento do jornalismo participativo nos últimos anos como a insatisfação da audiência com a qualidade do jornalismo tradicional, a popularização de dispositivos móveis que permitem a divulgação dos acontecimentos em tempo real como os celulares e as máquinas fotográficas, a queda dos custos dos computadores e da conexão de rede e o surgimento de ferramentas que simplificam a publicação de conteúdos e a cooperação entre os usuários como os blogs e as wikis.

Entre as plataformas de jornalismo participativo, está a Wikinotícias. Parecida com a Wikipédia, o projeto desenvolvido pela Fundação Wikimedia tem o intuito de ser uma fonte de notícias livre em que todas as pessoas podem contribuir com as suas próprias informações. A Wikinotícias está disponível em mais de 30 idiomas, incluindo o português. A Wikinotícias lusófona possui 14.815 usuários, o que representa aproximadamente 0.54% dos 2.743.356 usuários da Wikinotícias inglesa (os dados são de 08 de setembro de 2016). É importante ressaltar que a Wikinotícias lusófona está em fase inicial e trabalha com resumos de notícias de fontes externas em vez de notícias originais.

Considerações sobre o Jornalismo Participativo

Embora o jornalismo participativo seja uma alternativa em potencial às críticas à imparcialidade da mídia, ao envolvimento dos meios de comunicação com interesses comerciais ou às imprecisões das reportagens, é preciso considerar os prós e os contras da participação do público no processo de produção de notícias.

Em O Aspecto Relacional das Interações na Web 2.0, Alex Primo afirma que a participação do público no processo de produção de notícias pode abrir espaço para vandalismos ou mau uso das ferramentas de jornalismo participativo. Entretanto, Primo acrescenta os desequilíbrios em plataformas como Wikinotícias dependem do aperfeiçoamento do trabalho coletivo. Entre os mecanismos para evitar os vandalismos na Wikinotícias, estão o histórico e o recurso vigiar que permitem os usuários monitorarem as alterações realizadas nas matérias e o status de administrador que garante aos editores poderes de julgamento sobre os artigos e sobre os colaboradores com a possibilidade de bloqueá-los ou até de excluí-los.

Em Jornalismo Open-Source em Busca de Credibilidade: Como Funciona o Projeto Coreano OhmyNews International, Ana Maria Brambilla afirma também que os conteúdos produzidos sem a chancela de uma instituição ou sem o suporte de técnicas jornalísticas de apuração conduz à desconfiança da veracidade por uma sociedade habituada a esperar que o jornalismo seja o porta-voz do mundo real. Entretanto, Brambilla acrescenta ainda que o webjornalismo participativo é capaz de rever o próprio conceito de credibilidade a partir do momento que permite que todos os colaboradores expressem o que pensam sobre o assunto.

De acordo com Primo e Träsel, análises sobre a evolução e a contribuição social do aumento da participação do público no processo de produção de notícias precisam ser incentivadas. Segundo Conley, a sociedade precisa encorajar as pessoas a contarem as suas histórias para saber de todos os lados das histórias.


Publicado originalmente no blog Traço de Ciência.

Wiki
<ref "wmbr953">João Alexandre Peschanski (15 de setembro de 2016). [http://wp.me/p5zA2r-fn Seria o jornalismo participativo uma alternativa para uma mídia mais plural?] Wikimedia no Brasil. Visitado em 23 de junho de 2017 </ref>
ABNT
Seria o jornalismo participativo uma alternativa para uma mídia mais plural?. In: Website Wikimedia no Brasil. São Paulo: Wikimedia no Brasil, 2017. Disponível em: <http://wp.me/p5zA2r-fn>. Acesso em: 23 jun. 2017.

Seu e-mail (obrigatório)

Erro encontrado neste post

  • Seria o jornalismo participativo uma alternativa para uma mídia mais plural? é um artigo sobre Pesquisa, Wikinotícias
  • Por Marília Carrera “Todo mundo tem uma história e alguém para ouvi-la. Acho que esta é a questão: Como vamos ajudar as pessoas a contarem as suas histórias? Nem todo mundo quer ser jornalista. Nem todo mundo quer ser revolucionário. A realidade é que não sabemos o que o futuro nos aguarda. Tudo muda e isto […]
  • Pesquisa, Wikinotícias
  • Wikimedia
  • Wikimedia no Brasil
  • http://wikimedianobrasil.org/wp/wp-content/uploads/2016/09/Wikinotícias_Banner.png